Monitores de referência: eu preciso deles?


Uma dúvida recorrente nos canais aqui do Home Studio Brasil é sobre o uso de monitores de referência. Afinal, precisamos mesmo deles?

E a resposta é um grandioso SIM! Um dos fatores determinantes para uma boa mixagem é o uso de monitores de referência. Mas ele não trabalha sozinho. E este que é um dos grandes problemas para quem trabalha em home studio.

Então, para ajudar você a conseguir a melhor qualidade sonora em seu home studio com os seus monitores de referência, vamos listar alguns pontos que você precisa observar, antes mesmo de fazer a escolha pelo seu par de monitores.

1 – Tamanho da sala ou do quarto
Um dos pontos que sempre devem ser observados é o tamanho da sua sala ou quarto onde está ou será montado o seu home studio. Normalmente, temos um espaço não muito grande destinado ao nosso home studio e isso interfere na escolha do seu par de monitores. Para ambientes pequenos, com até 3m2, recomendamos que seu par de monitores trabalhe com caixas de 5 a 6 polegadas. Mais do que isso, você terá problema com os graves que serão demais para o seu espaço, começarão a embolar e suas mixagens soarão magras, sem graves, porque você vai sempre tentar compensar esse bolo de graves atenuando na mix. Opte por falantes de 8 polegadas apenas se você tiver espaços um pouco maiores, entre 6 e 10m2. Já para ambientes grandes, opte pelas caixas de no mínimo 10 polegadas ou, ao contrário das salas pequenas, você terá falta de graves na sua sala e acabará colocando-os demais em suas mix.

2 – Escolhendo a marca dos seus monitores de referência
Este é um assunto bem delicado. Nem sempre a melhor marca será a mais adequada para o seu ouvido. O ideal mesmo é ir em uma loja especializada e testá-los. Caso não seja possível, busque por vídeos e comentários em fóruns sobre os modelos que você está pesquisando. Tente entender o que mais se adequaria ao seu estilo. Por exemplo, as Yamahas têm o padrão de ter seus médios mais acentuados. Já as KRKs são ótimas para quem trabalha com beats ou música eletrônica, por terem os graves mais aveludados. Aqui no Home Studio Brasil optei pelas Edifier, que possuem uma sonoridade bem flat, insto é, bem equilibradas, e com um controle de graves e agudos, me permitindo equalizar a caixa no espaço em que estiver usando. As Genelec, possuem os modelos mais caros do mercado e, ao lado das Yamahas NS-10, estão presentes nos principais estúdios de áudio. Mas, antes de optar por elas, lembre-se de que o tamanho da sua sala precisa comportar a potência destes monitores de áudio. 

3 – Tratamento da sala
Antes de levar a cabo a sua ideia de comprar os monitores de áudio, lembre-se que você precisará tratar a sua sala, adequando-a para não ter um espalhamento de frequências a torto e a direito, para que você sofra com esses problemas quando estiver trabalhando com os seus pares de monitores de referência. Lembre-se que de nada irá adiantar seus monitores se a sua sala ainda estiver com problemas de difusão de frequências.

4 – Escolha a opção definitiva
Quando for fazer a compra dos seus monitores de referência, tenha a certeza de estar comprando o melhor que você pode e para a sua situação. Junte dinheiro para comprar o melhor que puder e para fazer este investimento apenas uma vez. Escolha monitores de qualidade e com bons reviews no mercado, afinal, eles serão para a vida toda e, caso você decida trocá-los, se forem de qualidade terão um melhor valor de revenda.

Legal, mas aí você vai me perguntar: e se eu não puder ter um ambiente tratado ou pior, não tiver grana para comprar os monitores de referência agora. Não terei como mixar com qualidade?
Se você não puder ter os seus pares de monitores agora ou uma sala tratada para recebê-los, não se preocupe. Continue juntando o dinheiro para chegar ao seu objetivo e, enquanto isso, vá mixando com os seus fones de ouvido. Para isso vamos dar algumas excelentes dicas também.

1 – Utilize referências ao mixar com fones
Enquanto estiver usando os seus fones para mixar, procure utilizar músicas de referências, que o ajudarão a seguir um caminho, sem precisar ir “tateando no escuro”. Opte por músicas que estejam próximas daquilo que você está trabalhando, ou seja, se estiver gravando apenas voz e violão, utilize como referência uma música que tenha apenas voz e violão, e assim por diante. Lembre-se de abaixar um pouco o volume da referência, já que esta é uma música já masterizada e pronta para o mercado. Normalmente devemos abaixar cerca de 4db a 6db para ter um volume correto de comparação.

2 – Teste a sua mix em diversos tipos de equipamentos
Enquanto você ainda não tem o seu porto seguro, ao mixar com fones, procure fazer tiragens em mp3 para ir estudando em outros equipamentos como está ficando o resultado da sua música. Eu costumava fazer em quatro estágios: após levantar os faders / após mixar a bateria / após mixar baixos, guitarras, teclado e efeitos / após mixar as vozes. Isso me ajudava a ter uma noção do trabalho enquanto ele ia progredindo, evitando me fazer dar muitos passos atrás. Após a mix final, antes de enviar para a masterização, é bom fazer uma última checagem também.

3 – Experimente simuladores de salas de estúdio.
Você pode também optar por experimentar simuladores de salas de estúdio, como o NX Virtual Mix Room, da Waves ou o gratuito DeeSpeaker. São plugins que você deve inserir no último espaço da cadeia de plugins do seu canal master e eles buscam emular uma sala de mixagem em seu fone de ouvido. Mas lembre-se: ele só serve para usar com fones e não substituem os monitores de referência. Apenas funcionam como um norte para as suas mixagens.

Bem, como vocês podem ver, existem muitos fatores que influenciam na sua escolha pelo par de monitores mais adequado para o seu home studio. Mas, se você tiver que esperar um pouco mais para decidir, não precisa desanimar pois existem opções para trabalhar sem eles.

E você, já passou por algum perrengue até encontrar o som ideal em seu home studio? Conte para gente aqui nos comentários.