Gravando voz em Home Studio

A gravação de voz pode ser considerada uma das peças chave para uma produção de qualidade, ao lado de bons arranjos e composição. Isso porque, normalmente, é onde 90% das pessoas colocam a sua atenção. Muitas vezes o instrumental nem está aquela maravilha, mas a maioria das pessoas acaba gostando da produção devido ao bom trabalho executado na gravação da voz. Isso não quer dizer que devemos nos preocupar menos com o restante da produção e sim que devemos dobrar a atenção quando fazemos a gravação da voz, sua edição e mixagem.

E, quando falamos de gravação em home studio, os problemas aumentam. Para quem não tem um ambiente tratado, as vezes gravar voz vira um verdadeiro martírio.

Então, resolvemos trazer algumas recomendações para que a sua gravação de voz fique o mais profissional possível, mesmo dentro das limitações do home studio. E acredite: é possível, sim!

1 – Escolhendo o ambiente
Procure gravar voz em um ambiente silencioso, onde você tenha o mínimo possível de invasão de sons externos, como cachorros, carros, avião, etc. Essa escolha também deve incluir ambientes com pouca reverberação. Para isso, escolha locais que contenham bastante móveis ou faça uma parede de colchões ou cobertores, que ajudarão a eliminar essas reverberações.

2 – Escolhendo o microfone
Teste qual microfone se encaixa melhor com a sua situação e com a sua voz. Para ambientes que não sejam completamente vedados de sons externos, o ideal é o uso de microfones dinâmicos. Caso você tenha um ambiente mais silencioso, os microfones condensadores lhe trarão um resultado espetacular. Mas vale lembrar da questão da reverberação neste caso também.

3 – Faça takes de testes
Faça alguns takes de captação para ajustar os volumes de entrada da voz, seja no seu pré amplificador, seja na sua interface de áudio. Procure cantar os trechos de maior volume para ver se o áudio não está clipando (acendendo as luzes vermelhas do seu medidor de volume). Você também pode aproveitar estes takes para verificar o timbre da voz e já fazer alguns ajustes de equalização e compressão, podendo gravar a sua voz já com um pouco de tratamento, o que o deixará mais a vontade para soltar a voz. Mas lembre-se de deixar uma margem para ajustar depois que estiver com a música toda pronta. Ou seja, use compressões leves, assim como os ajustes de equalização não devem ser radicais.

4 – Esteja bem ensaiado
Não deixe para pensar nos arranjos e melodias vocais no momento em que for gravar. Ensaie bastante, faça testes diferentes de arranjos para encontrar aquele que melhor combina com a música.

5 – Grave quando estiver em condições para isso
Evite gravar quando estiver resfriado, cansado, com sono, chateado ou debilitado de alguma forma. Você precisa estar bem motivado e disposto para gravar. A pressa é o maior inimigo do resultado. Grave no seu tempo, de acordo com a sua disposição.

6 – Afinação
É muito importante que a sua voz esteja afinada com a música. O ideal é que você grave buscando o melhor resultado possível no take. Caso passe uma coisa ou outra, os plugins de afinação, como o Celemony Melodyne, o ajudarão a ajustar os erros, colocando na afinação correta. Mas estes plugins não fazem milagres. Grave o mais afinado possível.

7 – Mixagem da track
Durante a mixagem, dê uma atenção especial à voz, deixando espaços nas frequências para que ela possa se destacar. Utilize o equalizador para fazer esse trabalho, mas sem exagerar e acabar cavando um buraco na sua mix.

8 – Equalização e compressão
Chegou a hora de ajustar o timbre e trazer a sua voz para frente. Com a equalização, você poderá ajustar o timbre, trabalhando nas frequências e ajustando os graves, médios e agudos de forma que a voz se encaixe melhor na música, fazendo parte do todo. Já com os compressores, você conseguirá dar nivelamento de volume e mais corpo para a sua voz, trazendo-a para frente. Não exagere na compressão para não acabar trazendo ruídos de respiração e lábios. Saiba dosar para que você consiga trazer a parte mais baixa da música para cima, sem aumentar o volume dos picos. Uma combinação de compressores FET e Opto podem ser uma boa escolha para o tratamento de voz. Com os FET (como o 1176), você conseguirá controlar os picos e puxar o RMS para cima enquanto com os Opto (como o LA2A) você poderá nivelar melhor o volume do todo. Caso você opte por trabalhar com estes dois tipos de compressores, tenha cuidado, utilizando-o com baixa compressão.

9 – Efeitos de ambiência
Utilizar reverbs e delays na voz é sempre um ás na manga, mas é preciso usar com cautela. Os efeitos de ambiência ajudam a dar a sensação de que existe um ambiente onde a música está sendo executada. Mas, para isso, é necessário que toda a produção pareça encaixada. Então, cuidado com o exagero nos efeitos. Utilize um pouco dos efeitos em cada um dos instrumentos, de forma estratégica, dosando um pouco mais nas peças que devem estar mais distantes e um pouco menos nas que estariam mais em destaque. Assim, você conseguirá trazer essa sensação de espaço e ambiente para a sua música.

Estes são alguns dos principais pontos de atenção para que você consiga atingir melhores resultados com as suas gravações de voz. Siga estas orientações e nos conte depois o que achou do resultado.

Se você tiver alguma outra observação que considere importante, fique a vontade para participar comentando aqui no nosso espaço para comentários ou no nosso grupo de discussão do Facebook.

Até o próximo post!

Deixe uma resposta